Entrevista ao blog da Míriam Leitão (Contas Externas) – 24 de abril de 2013

CONTAS EXTERNAS

IED não tem sido mais suficiente para financiar déficit

A pedido do blog, o economista Felipe Salto, da consultoria Tendências, analisou o resultado das contas externas divulgados hoje pelo BC. Em março, o país registrou déficit em transações correntes de US$ 6,873 bilhões. Ele acha que o déficit em conta corrente por si só não preocupa, mas sua evolução é que é alarmante. Também destacou a piora na qualidade do financiamento externo.

O economista explicou que o IED – investimento externo direto – não tem sido mais suficiente para financiar todo o saldo negativo em transações correntes. Lembrou também que esse saldo negativo é encarado como uma poupança externa, isto é, como uma conta que reflete o quanto a nossa demanda tem sido sustentada pela poupança do resto do mundo.

– Enquanto isso é sustentável, isto é, enquanto é financiável, as coisas ficam tranquilas e a solvência do balanço de pagamentos, garantida. Hoje, no entanto, a qualidade do fluxo de financiamento do déficit piorou. O IED, no trimestre, totalizou US$ 13,2 bilhões, diante de um déficit na conta corrente de US$ 24,9 bilhões (mais que o dobro do registrado no mesmo período do ano passado). Ou seja, só 50% do déficit em conta corrente está sendo financiado por capital de boa qualidade – afirma o economista.

De acordo com ele, os capitais que entram no Brasil para financiar investimentos produtivos estão minguando, e o balanço de pagamentos só continua a apresentar resultados positivos (ainda que cada vez menores), porque há uma entrada ainda expressiva por outros canais.

Para Salto, essa situação representa um risco de médio prazo e reflete diretamente as políticas do governo.
– Ao pretender controlar o câmbio, fixar os juros reais e continuar a gastar, mantendo o expansionismo do lado fiscal, incluindo o elevado e crescente peso das desonerações, o governo gera incerteza no mercado, e incerteza é igual a risco. Na presença de maior risco, os fluxos se retraem, e o investimento externo direto vai se reduzindo, sem que o déficit na conta corrente estacione, já que continuamos a importar mais do que exportamos, e já que todos os incentivos dados pelo governo às exportações não tenham elevado a corrente de comércio – afirmou.

No acumulado em 12 meses, o déficit em conta corrente é de US$ 67 bilhões, enquanto o IED está em US$ 63,6 bi. Ou seja, aproximadamente US$ 3,5 bi não estão sendo financiados pelo investimento estrangeiro direto. Olhando para esse dado acumulado em 12 meses, isso não acontecia desde novembro de 2010.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s