Contabilidade criativa (O Globo, 04/01/13)

Minha colaboração em matéria de Cristiane Bonfanti, do jornal O Globo, a respeito das últimas medidas anunciadas pelo governo no bojo da contabilidade criativa.

___________________________

Governo resgata R$ 11,1 bilhões para cumprir meta de superávit do setor público

“Serão feitos resgates de R$ 2,3 bilhões do BNDES e R$ 8,8 bilhões FFIE”

BRASÍLIA – O governo federal lançou mão de mais uma manobra de última hora e autorizou a entrada de R$ 15,8 bilhões nos cofres públicos para permitir o cumprimento da meta de superávit primário, a economia feita pelo setor público para o pagamento de juros da dívida. O Ministério da Fazenda autorizou o resgate de R$ 8,8 bilhões em títulos do chamado Fundo Soberano do Brasil, de outros R$ 2,3 bilhões do BNDES e de R$ 4,7 bilhões da Caixa, como forma de antecipação de pagamento de dividendos dos bancos.

As portarias foram assinadas em 28 e 31 de dezembro, mas publicadas ontem. Ao longo de todo o ano, o governo recorreu a truques para alcançar a meta cheia de superávit — R$ 139,8 bilhões ou 3,1% do Produto Interno Bruto (PIB) —, sem abatimento dos gastos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Para se ter uma ideia, de janeiro a novembro, entraram nos cofres públicos R$ 20,3 bilhões em dividendos de bancos públicos e estatais.

Mesmo com o esforço, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, admitiu no fim do ano a possibilidade de reduzir da meta até R$ 25,6 bilhões referentes a investimentos realizados. A estratégia já havia sido utilizada por ele na gestão do presidente Lula, em 2009 e 2010, em função da crise internacional.

Uma fonte do governo explicou que, como, além do governo central, estados e municípios terão dificuldade para cumprir a meta, o governo recorreu ao Fundo Soberano, criado em 2008 como uma poupança pública do país.

Aporte de R$ 15 bilhões no BNDES

Na avaliação de Felipe Salto, da Tendências Consultoria, as medidas são mais um capítulo da “contabilidade criativa” do governo para cumprir a meta fiscal. Segundo ele, apesar de todos os artifícios, o governo terá de cobrir um buraco entre R$ 30 bilhões e R$ 35 bilhões, inclusive a meta de governo central, estados e municípios.

— O governo fabrica um resultado primário sem fazer um esforço fiscal — criticou.

O governo também publicou ontem a autorização de um aporte de R$ 15 bilhões do Tesouro Nacional ao BNDES. Os recursos serão captados por meio da emissão de títulos da dívida pública e correspondem à última parcela de um total de R$ 45 bilhões que estavam previstos ao longo de 2012 para financiar projetos do setor produtivo e minimizar o impacto da crise financeira. Com isso, chega a R$ 280 bilhões o total repassado para o BNDES em quatro anos.

O artifício também faz parte da estratégia do governo para reforçar o caixa. Enquanto faz aportes bilionários em bancos públicos, em formato de empréstimos e sem impacto na despesa primária, o Tesouro pega de volta dividendos, que se refletem nas receitas primárias.

_______________________________

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/economia/governo-resgata-111-bilhoes-para-cumprir-meta-de-superavit-do-setor-publico-7185567#ixzz2H2jTBQbl

© 1996 – 2013. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s